terça-feira, 31 de maio de 2011

Mil flores

O amor me encarregou
de regar mil flores,
no mundo dos meus amores.
Espalhar o encanto das flores.
Formar trilhas de mil odores,
enfeitar as vidas, de pétalas multicores.

Carlos Rosa

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Socorro Maurício!!







Parece que nesse mundo de hoje, as coisas estão caminhando rápido demais, acabo de ser surpreendido com o mais recente namoro das celebridades do mundo dos quadrinhos.
Mônica e Cebolinha ( agora Cebola) estão de namoro numa nova fase! Minha filha (quatro anos), que estava "curtindo' muito a briguenta Mônica e seus amiginhos Cebolinha, Cascão, Magali e outros, certamente, vai se assustar com o salto que foi dado na estória. Espero que o "trauma' seja pequeno (risos), pois será inevitável que ela tenha contato com essa nova fase da vida de sua amiguinha querida e a sua agitada turminha.

Carlos Rosa

quarta-feira, 25 de maio de 2011



Amor maduro (Amor)
Arthur da Távola

O amor maduro não é menor em intensidade.
Ele é apenas quase silencioso.
Não é menor em extensão.
É mais definido, colorido e poetizado.
Não carece de demonstrações:
presenteia com a verdade do sentimento.
Não precisa de presenças exigidas:
amplia-se com as ausências significantes.

O amor maduro tem e quer problemas,
sim, como tudo.
Mas vive dos problemas da felicidade.
Problemas da felicidade são formas trabalhosas
de construir o bem e o prazer.
Problemas da infelicidade não interessam ao amor maduro.

Na felicidade está o encontro de peles,
o ficar com o gosto da boca e do cheiro,
está a compreensão antecipada, a adivinhação,
o presente de valor interior,
a emoção vivida em conjunto,
os discursos silenciosos da percepção,
o prazer de conviver, o equilíbrio de carne e espírito.
Carne intensa, alegre, criança, redescobrimento
das melhores dimensões pessoais e alma refeita,
abastecida de todas as proteções necessárias,
um enorme empório de afinidades acima e além
de meras concordâncias intelectuais.
Os problemas daí derivados são os problemas da felicidade.
Problemas, sim, alguns graves.
Mas estalantes de um sentimento bom.

Na infelicidade estão a agressão, o desamor,
o não conseguir, a rejeição, a dor, o cansaço,
a troca com perda, a obrigação, o tédio, o desencontro,
o insulto, o ciúme machucante, as futricas de família,
as peles se eriçando e os toques que dão susto.
Os problemas da infelicidade não devem ser trazidos
para a trama do amor maduro.
O amor maduro é sólido e definido.
Mas estranhamente se recolhe
quando invadido pelos problemas
da infelicidade que fazem a glória do amor imaturo.
Acaba acabando.

O amor maduro não disputa, não cobra,
pouco pergunta, menos quer saber. Teme, sim.
Porém não faz do temor argumento.
Basta-se com a própria existência.
Alimenta-se do instante presente valorizado e importante
porque redentor de todos os equívocos do passado.
O amor maduro é a regeneração de cada erro.
Ele é filho da capacidade de crer e continuar.
É o sentimento que se manteve mais forte
depois de todas as ameaças, guerras ou inundações existenciais
com epidemias de ciúme, controle ou agressividade.

O amor maduro é a valorização do melhor do outro
e a relação com a parte salva de cada pessoa.
Ele vive do que não morreu mesmo tendo ficado para depois.
Vive do que fermentou criando dimensões novas
para sentimentos antigos, jardins abandonados cheios de sementes.
Ele não pede, tem. Não reivindica, consegue.
Não persegue, recebe. Não exige, dá. Não pergunta, adivinha.
Existe, para fazer feliz. Só teme o que cansa, machuca ou desgasta.

O amor maduro não precisa de armaduras, coices, cargos
iluminuras, enfeites, papel de presente, flâmulas, hinos,
discursos ou medalhas: vive de uma percepção tranqüila da essência do outro.
Deixa escapar a carência sem que pareça paupérrima.
Demonstra a necessidade sem que pareça voraz.
Define uma dependência sem que se manifeste humilhante.

O amor maduro cresce na verdade e se esconde a cada auto-ilusão.
Basta-se com o todo do pouco.
Não precisa nem quer nada do muito.
Está relacionado com a vida e sua incompletude,
por isso é pleno em cada ninharia por ela transformada em paraíso.
É feito de compreensão, música e mistério.
É a forma sublime de ser adulto e a forma adulta de ser sublime e criança.

É o sol de outono: nítido mas doce.
Luminoso, sem ofuscar.
Suave mas definido.
Discreto mas certo.
Um sol, que aquece até queimar.

terça-feira, 24 de maio de 2011

PENSAMENTO MODERNO!


Os grandes homens sempre se contentam

com a grandeza de seus espíritos.

domingo, 22 de maio de 2011

Ribbon In The Sky

Música de qualidade para iniciarmos bem a semana

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ferida

Nascer é dolorido...

viver sempre será colorido.

Sem pudor, nem alarido...

Desde que o coração

não seja ferido.

Carlos Rosa

segunda-feira, 16 de maio de 2011


Sinergia

O toque da mão


passa sensível energia,


é suave sensação


e traz plena felicidade!




Carlos Rosa


domingo, 15 de maio de 2011

Santos Campeão

Agora quem dá bola é o Santos

sábado, 14 de maio de 2011

Folhetim

Música de qualidade para alegrar o nosso fim de semana



Se acaso me quiseres,
Sou dessas mulheres
Que só dizem "sim!",
Por uma coisa à toa,
Uma noitada boa,
Um cinema, um botequim.
E, se tiveres renda
Aceito uma prenda,
Qualquer coisa assim,
Como uma pedra falsa,
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim.
E eu te farei as vontades.
Direi meias verdades
Sempre à meia luz.
E te farei, vaidoso, supor
Que é o maior e que me possuis.
Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte:
Te afasta de mim,
Pois já não vales nada,
És página virada,
Descartada do meu folhetim.
Chico Buarque

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Os manos invisíveis e "pisada" da Google

C@urosa
Falha humana na Google faz blogueiros perderem postagens.



terça-feira, 10 de maio de 2011

IMAGENS FANTÁSTICAS


(imagens: Netfot e wordpress)
O HAWAI É LOGO ALI. . .!!!

domingo, 8 de maio de 2011

Saudade de Neruda

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.


sábado, 7 de maio de 2011

INTERROGAÇÃO??


Quem disse?

ser o meu viver,

só te querer.



C@urosa

sexta-feira, 6 de maio de 2011

quinta-feira, 5 de maio de 2011

NOITE TRÁGICA


Há muito tempo o futebol brasileiro não passa por uma derrota tão vergonhosa na Libertadores da América. De um só vez, quatro grandes equipes foram eliminadas da competição: Fluminense, Cruzeiro, internacional e Grêmio. Uma noite trágica e triste para ser riscada da história do nosso futebol. Entre "mortos e feridos" salvou-se o nosso glorioso alvinegro praiano. O Santos tem agora toda a nossa torcida como digno representante do futebol brasileiro.





O Brasil agora é o Santos

domingo, 1 de maio de 2011

Dia do Trabalhador? Dia do Trabalho?

E o meu. . .



Salário

Ó que lance extraordinário:
aumentou o meu salário
e o custo de vida, vário,
muito acima do ordinário,
por milagre monetário
deu um salto planetário.
Não entendo o noticiário.

Sou um simples operário,
escravo de ponto e horário,
sou caxias voluntário
de rendimento precário,
nível de vida sumário,
para não dizer primário,
e cerzido vestuário.
Não sou nada perdulário,
muito menos salafrário,
é limpo meu prontuário,
jamais avancei no Erário,
não festejo aniversário
e em meu sufoco diário
de emudecido canário,
navegante solitário,
sob o peso tributário,
me falta vocabulário
para um triste comentário.
Mas que lance extraordinário:
com o aumento de salário,
aumentou o meu calvário!

Carlos Drummond de Andrade

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog