quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Adeus grande dama da música.



Etta James (nascida Jamesetta Hawkins; Los Angeles, 25 de Janeiro de 1938 - Riverside, 20 de Janeiro de 2012), também conhecida pelo apelido de Miss Peaches, foi uma cantora americana de Blues, R&B, Jazz e Gospel

Etta James nasceu em Los Angeles, California filha de Dorothy Hawkins, uma afro-americana, mãe solteira aos 16 anos. Nascida de duas raças diferentes, Etta procurou saber quem era seu pai, desconhecido até então, sua mãe diz ser Minnesota Fats e do qual ela recebia pensão na condição de manter segredo sobre sua paternidade.
Ela teve o seu primeiro contacto com a música aos 5 anos de idade, tendo aulas com James Earle Hines, director musical da escola Echoes of Eden da Igreja Batista de St. Paul, em Los Angeles.
Sua família mudou-se para São Francisco, Califórnia, em 1950, e em 1952 Etta e mais duas amigas formaram o trio (As Creolettes), o qual viria a chamar a atenção de Johnny Otis. Otis inverteu as sílabas do seu nome para lhe dar uma melhor sonoridade assim surgindo o seu nome artístico. A partir daí Otis investiu na garota começando a gravar os seus primeiros temas.

Começo da fama e carreira

Sua primeira gravação, e seu primeiro êxito R&B, foi de sua própria autoria, "The Wallflower (Dance with Me, Henry)", uma música-resposta para a músia de Hank Ballard, "Work with Me, Annie". Em 1954, Etta gravou juntamente com a banda de Otis e com Richard Berry, o qual cantava a segunda voz. A canção não estava totalmente boa, e foi re-escrita por Georgia Gibbs, ganhando o título de "Dance with Me, Henry". Também gravou momentaneamente o Etta James & the Peaches, com diversos hits e foi contratada mais tarde pela Chess Records em 1960.
Saiu em turnê com Johnny "Guitar" Watson juntamente com Otis nos anos '50 e foi citada por Watson como a penúltima influência em seu estilo.
Ela lançou vários duetos com Harvey Fuqua (de The Moonglows), do qual surgiu o seu maior sucesso já gravado, a belissima e clássica "At Last". A canção, que apareceu juntamente com outros êxitos como "All I Could Do Was Cry" e "Trust in Me", foi incluída no seu álbum de estreia, "At Last".
Etta James teve um sério problema de drogas e romances mal sucedidos, que interferiram em sua carreira. Posteriormente ela tem problemas com a obesidade (chegando a ter quase 200 kg), que levaram-na a fazer uma cirurgia gástrica em 2003, fazendo-a perder quase 100kgs. Em 2003 Etta James recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Atualmente, Etta fez tours pela América junto com seus dois filhos, Donto e Sametto. Em 2011, cantou com Flo Rida, na musica Good Feeling, com uma participação não-creditada. Cinco dias antes de seu aniversário de 74 anos, ela finalmente sucumbiu à leucemia e outras doenças no Riverside Community Hospital, na cidade de Riverside, na Califórnia.

Discografia

At Last! - (1960)
The Second Time Around (1961)
Etta James Rocks the House [LIVE] (1964)
Tell Mama (1968)
Come A Little Closer (1974)
Deep in the Night (1978)
Seven Year Itch (1990)
Stickin' to My Guns (1990)
The Right Time (1992)
How Strong Is a Woman: The Island Sessions (1993)
Live from San Francisco (1995)
These Foolish Things : The Classic Balladry Of Etta James (1995)
The Gospel Soul Of Etta James
Matriarch of the Blues - (2000)
Blue Gardenia - (2001)
Burnin' Down the House: Live at the House of Blues (2002)
Let's Roll - (2003)
Blues to The Bone (2004)
All the Way - (2006)
Etta James (2006)
[editar]Coletâneas

The Essential Etta James (1993)
Etta James: Her Best (The Chess 50th Anniversary Collection) (1997)
20th Century Masters: The Best Of Etta James (Millennium Collection) (1999)
The Chess Box (2000)
Love Songs (2001)
Gold (2007)
Playlist: The Best of Etta James (2009)
The Definitive Collection (2006)
The Inspirational Collection (2009)















quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O AMIGO DA ONÇA










Esse é o "Amigo da Onça", quem se lembra dele?

Amigo da Onça é um personagem criado por Péricles de Andrade Maranhão (14 de agosto de 1924 - 31 de dezembro de 1961) e publicado em uma charge pela primeira vez na revista O Cruzeiro em 23 de outubro de 1943.
Satírico, irônico e crítico de costumes, o Amigo da Onça aparece em diversas ocasiões desmascarando seus interlocutores ou colocando-os nas mais embaraçosas situações.
Dois caçadores conversam em seu acampamento:
— O que você faria se estivesse agora na selva e uma onça aparecesse na sua frente?
— Ora, dava um tiro nela.
— Mas se você não tivesse nenhuma arma de fogo?
— Bom, então eu matava ela com meu facão.
— E se você estivesse sem o facão?
— Apanhava um pedaço de pau.
— E se não tivesse nenhum pedaço de pau?
— Subiria na árvore mais próxima!
— E se não tivesse nenhuma árvore?
— Sairia correndo.
— E se você estivesse paralisado pelo medo?
Então, o outro, já irritado, retruca:
— Mas, afinal, você é meu amigo ou amigo da onça?
Após a morte do autor, em 1962, o personagem continuou sendo publicado, desenhado pelo cartunista Carlos Estevão, até 1972.
(fonte: wikipédia, fotonet)



quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Mais Pablo Neruda




Abaladora foi a noite de setembro.
Eu trazia na roupa
a tristeza do trem que me trazia
cruzando uma por uma as províncias:
eu era esse ser remoto
turbado pela fuma
ça do carvão
da locomotiva.
Eu n
ão era.
Tive de encarar ent
ão a vida.
Minha poesia me incomunicava
e me agregava a todos.
Naquela noite
me coube declarar a Primavera.
A mim, pobre sombrio,
me fizeram desatar a vestimenta
da noite desnuda.
Tremi lendo ante duas mil orelhas desiguais
meu canto.
A noite ardeu
com todo o fogo escuro
multiplicando-se na cidade,
na urgência imperiosa do contato.
Morreu a solid
ão aquela vez
ou nasci eu de minha solid
ão?

* 

Vivi na desordem de pátrias n
ão nascidas,
em col
ônias que ainda não sabiam nascer,
com bandeiras in
éditas que se ensangüentariam.
Vivi na fogueira de povos malferidos
comendo o p
ão estranho em meu padecimento.

*
Cada um no casaco mais oculto guardou
as alfaias perdidas da memória,
intenso amor, noites secretas ou beijos permanentes,
parcela de felicidade pública ou íntima.
Alguns, inquietos, colecionaram quadris,
outros homens amaram a madrugada esquadrinhando
cordilheiras ou tímbales, locomotivas, números.
Para mim a felicidade foi compartir cantando,
louvando, imprecando, chorando com mil olhos.
Pe
ço perdão pelo mau comportamento:
n
ão teve utilidade minha gestão na terra.

In Ainda, tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Neruda




Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.







segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

O POETA DO PANTANAL




Com pedaços de mim eu monto um ser atônito.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas se não desejo contar nada, faço poesia.
Melhor jeito que achei para me conhecer foi fazendo o contrário.
A inércia é o meu ato principal.
Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas.
O artista é um erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito.
A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos.
Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos.
Por pudor sou impuro.
Não preciso do fim para chegar.
De tudo haveria de ficar para nós um sentimento longínquo de coisa esquecida na terra — Como um lápis numa península.
Do lugar onde estou já fui embora.



Manoel de Barros








LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog