sábado, 19 de junho de 2010

Momento triste para quem gosta de poesia


JOSÉ SARAMAGO, O MAGO DAS LETRAS


























Momentos

Há momentos assim na vida: descobre-se inesperadamente que a perfeição existe, que é também ela uma pequena esfera que viaja no tempo, vazia, transparente, luminosa, e que às vezes (raras vezes) vem na nossa direcção, rodeia-nos por breves instantes e continua para outras paragens e outras gentes.

In Manual de Pintura e Caligrafia, Ed. Caminho, 6.ª ed., p. 291
(Selecção de Diego Mesa)




Protopoema


Do novelo emaranhado da memória, da escuridão dos
nós cegos, puxo um fio que me aparece solto.
Devagar o liberto, de medo que se desfaça entre os
dedos.
É um fio longo, verde e azul, com cheiro de limos,
e tem a macieza quente do lodo vivo.
É um rio.
Corre-me nas mãos, agora molhadas.
Toda a água me passa entre as palmas abertas, e de
repente não sei se as águas nascem de mim, ou para
mim fluem.Continuo a puxar, não já memória apenas, mas o
próprio corpo do rio.
Sobre a minha pele navegam barcos, e sou também os
barcos e o céu que os cobre e os altos choupos que
vagarosamente deslizam sobre a película luminosa
dos olhos.
Nadam-me peixes no sangue e oscilam entre duas
águas como os apelos imprecisos da memória.
Sinto a força dos braços e a vara que os prolonga.
Ao fundo do rio e de mim, desce como um lento e
firme pulsar do coração.
Agora o céu está mais perto e mudou de cor.
É todo ele verde e sonoro porque de ramo em ramo
acorda o canto das aves.E quando num largo espaço o barco se detém, o meu
corpo despido brilha debaixo do sol, entre o
esplendor maior que acende a superfície das águas.
Aí se fundem numa só verdade as lembranças confusas
da memória e o vulto subitamente anunciado do
futuro.
Uma ave sem nome desce donde não sei e vai pousar
calada sobre a proa rigorosa do barco.
Imóvel, espero que toda a água se banhe de azul e que
as aves digam nos ramos por que são altos os
choupos e rumorosas as suas folhas.
Então, corpo de barco e de rio na dimensão do homem,
sigo adiante para o fulvo remanso que as espadas
verticais circundam.
Aí, três palmos enterrarei a minha vara até à pedra
viva.Haverá o grande silêncio primordial quando as mãos se
juntarem às mãos.
Depois saberei tudo.


(in PROVAVELMENTE ALEGRIA, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1985, 3ª Edição)

Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais.

José Saramago


Science-fiction I


Talvez o nosso mundo se convexe
Na matriz positiva doutra esfera.

Talvez no interspaço que medeia
Se permutem secretas migrações.

Talvez a cotovia, quando sobe,
Outros ninhos procure, ou outro sol.

Talvez a cerva branca do meu sonho
Do côncavo rebanho se perdesse.
Talvez do eco dum distante canto
Nascesse a poesia que fazemos.

Talvez só amor seja o que temos,
Talvez a nossa coroa, o nosso manto.


(In OS POEMAS POSSÍVEIS, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1981. 3ª edição)


Retrato do poeta quando jovem



Há na memória um rio onde navegam
Os barcos da infância, em arcadas
De ramos inquietos que despregam
Sobre as águas as folhas recurvadas.

Há um bater de remos compassado
No silêncio da lisa madrugada,
Ondas brancas se afastam para o lado
Com o rumor da seda amarrotada.

Há um nascer do sol no sítio exacto,
À hora que mais conta duma vida,
Um acordar dos olhos e do tacto,
Um ansiar de sede inextinguida.

Há um retrato de água e de quebranto
Que do fundo rompeu desta memória,
E tudo quanto é rio abre no canto
Que conta do retrato a velha história.


(In OS POEMAS POSSÍVEIS, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1981. 3ª edição)



DESCANSO, PAZ E A ETERNIDADE PARA O MARAVILHOSO HOMEM DAS LETRAS.


C@urosa

21 comentários:

  1. Oi Carlos
    Comovente post. A poesia do mundo ficou mais pobre. Lamentável.
    Abração

    ResponderExcluir
  2. Carlos sem dúvida uma grande perda e faço coro com o Wanderley: a poesia do mundo empobreceu.
    Que bom termos sua obra tão vasta a poder nos acompanhar. O céu ganhou em poesia.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. " Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais. "


    grandioso poeta...
    sentiremos falta.

    belissimo post viu, tá de parabéns!
    beijos doce, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Beleza de homenagem, Cau! Emocionada e emocionante. E que foto!

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  5. Fiquei triste, aprendi a gostar de Saramago desde o polêmico "Evangelho Segundo jesus Cristo"e depois me apaixonei por "Todos Os Nomes" e ao saber que ela era filho e netos de analfabetos, mais admiração senti por ele.
    Bjs
    Janeisa

    ResponderExcluir
  6. Linda homenagem amigo, agora fica para sempre seus poemas que são lindos.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  7. Um post sublime dedicado a quem bem merece. Adorei, Cau. Obrigada por esta postagem linda.

    Carinhoso beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
  8. Prá Voce...

    Um ramalhete
    Com rosas e alecrim
    Nele, fitas de afeto
    Em laços de bem querer,
    Um sorriso em cada pétala
    Um bilhete de paz
    Pra tua vida...
    E um pedido!
    Jamais se esqueça de mim!

    (Sirlei L. Passolongo)

    Saudações Poéticas.....M@ria

    ResponderExcluir
  9. O momento é triste sim,,,mas todo poeta é eterno em sua alma e em sua obra...abraços de lindo dia pra ti.

    ResponderExcluir
  10. linda homenagem...fiquei encantada...
    OBRIGADO!!!!

    ResponderExcluir
  11. Eu fiquei sabendo amado,se eu te falar q eu conhecia as suas obras eu estaria mentindo,mas a julgar pelos apelos e comentários q tenho visto por aí de fato perdemos um grande poeta.
    Muito digna a sua homenagem.
    Parabéns.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  12. Triste, e nós ficaríamos mais se levasse com ele a sua obra, mas não, herdamo-la. Parabéns pela linda homenagem. Abraço Alvinegro

    ResponderExcluir
  13. Ele se foi, mas vai ficar guardado em nós.
    Belíssima homenagem querido !


    um beijo.

    ResponderExcluir
  14. O homem se vai, mas sua obra permanece.
    Bela homenagem, Cau.

    bjs

    ResponderExcluir
  15. Foto perfeita do cabeçalho!! Eles devem estar conversando agora, né? :)
    Obrigada pela boa leitura neste início de manhã!! Beijus,

    ResponderExcluir
  16. E o mundo ficou menor com a ida deste grande homem!

    Beijinhos

    Maria

    ResponderExcluir
  17. Para onde vão os poetas quando morrem jovens? Para uma Shangri-lá das esferas letrais
    Um desmundo na órbita das sensibilidades apuradas?
    Para uma cidade fantasmas de sígnicos humanos
    Em que há uma toda nova preparação para um revisitar-se?(...) (
    Desconheço o autor.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  18. Muito bonita a sua homenagem a Saramago, Carlos!
    De você...Era de esperar..essa sua alma sensível!
    grata por seres meu amigo!
    Beso, meu lindo

    ResponderExcluir
  19. Olá... Já estou aqui, gostei do seu espaço. Vou-lhe seguir, me siga tambem em:
    www.congulolundo.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Carlos, obrigado pelo comentário simpático que deixaste lá no meu cantinho. É com prazer que passo por aqui, para conhecer-te e admirar a poesia, a beleza das tuas palavras...
    É linda esta tua homenagem ao grande escritor que foi [é... sempre!] José Saramago, embora a minha sensibilidade me aproxime mais de Miguel Torga, este é, também, dos escritores contemporâneos da língua portuguesa, que mais admiro.
    Um abraço, Carlos, gostei de estar contigo.
    Carlos Gonçalves

    ResponderExcluir
  21. Infelizmente, ele se foi, agora nos resta acha-lo no legado que ele deixou...

    Fique com Deus, menino Carlos Rosa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Meus amigos e amigas sejam sempre bem vindos, eu agradeço aos gentis e inteligentes comentários no meu humilde espaço de reflexão, expressão e comunicação. Espero o seu retorno. Um forte abraço.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog