quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O Teu Riso





Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

À beira do mar, no outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera, amor,
quero teu riso como
a flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Pablo Neruda

7 comentários:

  1. É brasa, é fogueira acesa, é vermelhidão os versos de Neruda.

    Beijo, querido Carlos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É brasa que incendeia nossos corações.

      Excluir
  2. Bom dia,Caruso!Os versos do Neruda são extraordinários.
    ainda estou lendo 100 sonetos de amor.
    Beijosss

    ResponderExcluir
  3. Ai ai ai... Neruda me encata. beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Não sou muito fã de Neruda, porém essa poesia nos toca onde nos é importante: perder nossa alegria é sinal de nossa derrota. Abçs.

    ResponderExcluir

Meus amigos e amigas sejam sempre bem vindos, eu agradeço aos gentis e inteligentes comentários no meu humilde espaço de reflexão, expressão e comunicação. Espero o seu retorno. Um forte abraço.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog