sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Exercício de reflexão




anedota búlgara


ERA UMA VEZ UM CZAR NATURALISTA

QUE CAÇAVA HOMENS.

QUANDO LHE DISSERAM QUE TAMBÉM SE CAÇAM BORBOLETAS e andorinhas,

FICOU MUITO ESPANTADO E ACHOU UMA BARBARIDADE.

Carlos Drummond de andrade

21 comentários:

  1. Tods nõs caçamos algo, mesmo que seja sonhos...

    Fique com Deus, menino Carlos Rosa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Vale sempre a pena ler Carlos Drummond de Andrade.
    É profundo, é belo e poético

    ResponderExcluir
  3. hehehe
    Tudo é uma questão de perspectiva, não é meu amigo?
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Na atual conjuntura, fico com o czar.
    Abração

    ResponderExcluir
  5. Fiquei a pensar cá com meu botões, o que ando a caçar?
    Acho que a felicidade.

    Linda escolha meu querido.
    Beijos no teu ♥ e um bom final de semana.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Caurosa,

    Vim te desejar um bom fim de semana, com muita paz.
    Grato pela vista ao Eu-lírico e pela gentileza dos elogios, bem maiores do mereço.
    Bom ter vc entre os meus visitantes. Tenho visto vc em outros blogs e tb te devia essa visita.
    Que esse noss intercâmbio se intensifique a cada dia e dê bons frutos.

    Um abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  7. O problema maior do ser humano é a necessidade de estar sempre caçando...seja lá o que for...abraços de bom final de semana pra ti.

    ResponderExcluir
  8. Só mesmo a genialidade de Carlos Drummond....que venham as borboletas e os pássaros e que os homens possam apreciar a si mesmo e a natureza.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  9. Tanto respeito pela vida humana, e todos se esquecem de todos os outros seres.

    Um beijo e bom fim-de-semana :)

    ResponderExcluir
  10. Quase sempre procuramos caçar a nós mesmos. É a procura da sabedoria permanente.
    Obrigado pela visita, meu amigo!

    ResponderExcluir
  11. Quase sempre procuramos caçar a nós mesmos. É a procura da sabedoria permanente.
    Obrigado pela visita, meu amigo!

    ResponderExcluir
  12. Oi Carlos, tudo bem contigo?

    Ótimo texto.

    Bjs e um bom fim de semana

    ResponderExcluir
  13. E hoje em dia mata e caça homens e ninguém importa. bjos.

    ResponderExcluir
  14. Então, comodiz o ditado, um dia da caça, outro do caçador...
    Abração,
    Adh

    ResponderExcluir
  15. Quantas e quantas vezes eu ando á caça para ver se apanho esta nostalgia dentro de mim. Esta sim, eu matava-a de boa vontade. Gostei e é realmente irónico... Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  16. Drummond é fantástico! Ainda há caçadores de borboletas e de pessoas, porém os de borboletas estão perdendo feio na estatística atual. Forte abraço

    ResponderExcluir
  17. Drummond, genial! Sua poesia não perdeu sentido ao passar do tempo, muito pelo contrário, está mais atual que nunca. As pessoas se preocupam cada vez menos com seus semelhantes, menos ainda com borboletas ou andorinhas...

    Perfeito post!

    Beijos, querido amigo botafoguense...

    ResponderExcluir
  18. Até mesmo a dubiedade do óbvio faz cegar antes as armadilhas que ceifam as vidas dos homens...

    Seria melhor, não menos errado, caçar borboletas ou andorinhas, mas poupar inocentes dos tiros perdidos, dos acidentes irresponsáveis, do tráfico indescente e das maracutaias da corrupção.

    Seria... Mas não é...

    Meu abraço, Carlos!

    ResponderExcluir
  19. Vemos as situações sempre a partir de nosso ponto de vista - não poderia ser diferente, isso é uma verdade. O bom é que saibamos dar um passo ao lado e consigamos ver sob uma diferente ótica - mesmo se for para escolhermos voltar para o nosso ponto de vista original. Já valeu o exercício!! Um beijo, Deia.

    ResponderExcluir

Meus amigos e amigas sejam sempre bem vindos, eu agradeço aos gentis e inteligentes comentários no meu humilde espaço de reflexão, expressão e comunicação. Espero o seu retorno. Um forte abraço.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog